quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Desigualdade social nos EUA...


Um novo documentário revela como 400 norte-americanos tornaram-se financeiramente mais ricos que metade da população do país
130123-Pobreza#UA
Por Inês Castilho e Andrew Barker*
Uma forma de medir o aumento da desigualdade de renda é comparar, ao longo do tempo, o salário do trabalhador médio com o do trabalhador do topo do mercado. É o que faz o economista político Robert Reich, ex-secretário do Trabalho dos EUA e professor da Universidade da Califórnia, em Berkeley, no documentário Inequality for All (Desigualdade para Todos)que acaba de ser apresentado no Sundance Festival.
Em 1978, diz Reich, um trabalhador homem norte-americano típico ganhava cerca de 48 mil dólares anuais, enquanto um profissional de elite recebia cerca de 393 mil dólares anuais. Em 2010, o trabalhador médio viu seus ganhos reduzidos a 33 mil dólares anuais, enquanto o profissional do topo pulou para mais que o dobro, aproximadamente 1,1 milhão de dólares anuais.
Mas a desigualdade torna-se brutal mesmo quando se examinam os rendimentos dos mega-milionários. Eles cresceram tanto nas décadas neoliberais que hoje, conta Reich, as 400 pessoas financeiramente mais ricas dos EUA possuem mais que metade da população do país – os 150 milhões de norte-americanos da base da pirâmide.
Cobrindo uma amplo espectro da teoria econômica de modo simples e interessante, o documentário Inequality for All pretende fazer, para a questão da desigualdade de renda, aquilo que Uma Verdade Inconveniente fez para as mudanças climáticas, com Robert Reich no lugar de Al Gore como grande professor. Esforçando-se para manter-se imparcial e oferecendo “respiros” visuais, este é um documentário que quer comunicar-se com um público além dos simpatizantes do movimento Occupy.
Como Uma Verdade Inconveniente, Desigualdade para Todos ancora-se em uma longa aula, no caso “Riqueza e Pobreza”, de Robert Reich, em Berkeley, com cortes para entrevistas e recursos visuais – uma coleção de gráficos alarmantes que se alinha a outras tendências socioeconômicas. Reich tem um argumento simples: a ampliação da distância entre ricos e pobres está levando ao fim da classe média e irá paralisar a economia, se não for controlada. Para apoiar sua tese, traça todo o desenvolvimento fiscal do país desde a Grande Depressão, e faz isso com louvável ausência de tom professoral.
Se a classe média não consegue mais se manter, à medida que o custo de vida aumenta e o salário se mantém igual, argumenta Reich, o motor central da economia – os gastos com o consumo – devem levar o sistema à paralisação. Uma de suas preocupações principais é que, para compensar a estagnação dos salários, os trabalhadores da classe média fizeram empréstimos. Este é um dos gráficos mais chocantes: o salário se mantém imutável na base da tela, enquanto a dívida pessoal sobe para a estratosfera.
Paralelamente, o jovem diretor Jacob Kornbluth acompanha personagens do mundo real, incluindo um empresário multimilionário que argumenta contra seu próprio papel de ‘criador de emprego’ isento de certos impostos, e um casal Mormon que vota no partido Republicano e procura sindicalizar trabalhadores de uma usina geotérmica em sua cidade. Mas o depoimento mais revelador é o de uma trabalhadora mãe de dois filhos cuja demissão do marido fez com que perdessem sua casa. Forçada a dividir uma pequena casa com outra família, ela pergunta: “Como faço para ganhar dinheiro? Não que eu queira ser rica, mas… Como você faz para ganhar dinheiro, quando não tem ações?”
Reich recorda com carinho seu tempo de White House como secretário do Trabalho de Clinton, embora se admita frustrado com o que (não) conseguiu alcançar. Mas, estranhamente, não menciona o importante papel de Clinton na desregulamentação financeira que viria abalar a economia mundial uma década depois. Ainda assim, ele oferece lições a serem aprendidas. Como informa durante o filme, vem pregando contra o crescimento da desigualdade há décadas, e quando começou era considerado de centro. Mas, recentemente, as mesmas ideias levaram a Fox News a tachá-lo de marxista radical.
Em uma das sequências mais tocantes, Reich é arrastado para um diálogo áspero com um trabalhador que se opõe com eloquência à sindicalização. Reich trava com ele um debate de admirável civilidade e, ao mesmo tempo, falta de condescendência. Esse diálogo mostra que não será fácil derrubar os muros que impedem a reforma do sistema financeiro, e a luta que o filme terá de travar para tocar as pessoas que mais precisam ser convencidas.

* A partir do quarto parágrafo, o texto é tradução/adaptação de resenha publicada pela revista Variety

“Pisaremos em Marte entre 2035 e 2040”, diz Buzz Aldrin


“Pisaremos em Marte entre 2035 e 2040”, diz Buzz Aldrin no evento Campus Party 2013


São Paulo - Depois de um emocionante vídeo que retratou a chegada da missão Apollo 11 à Lua, o ex-astronauta da NASA Buzz Aldrin, segundo homem pisar no satélite, subiu ao palco da sexta edição da Campus Party Brasil. Aldrin falou aos campuseiros sobre o futuro da exploração do espaço que, de acordo com ele, está no planeta vermelho. “Meu foco hoje é Marte”, pontuou firmemente durante sua palestra.

Buzz Aldrin durante Campus Party Brasil

http://exame.abril.com.br/tecnologia/

Excelente matéria sobre o uso de Smartphone...


Os mandamentos de boa conduta para uso do smartphone

Atualizado em  29 de janeiro, 2013 - 11:53 (Brasília) 13:53 GMT
Smartphone
Os smartphones estão cada vez mais presentes na vida das pessoas
Uma das consequências mais notórias da aparição dos smartphones e demais dispositivos móveis é o impacto que tiveram em nossa vida social.
Absorvidos por um mundo virtual, em detrimento do real, estamos nos convertendo em uma sociedade de dependentes dos celulares, muitos dos quais aparentam ser zumbis que perambulam sem escutar ninguém nem olhar outras pessoas nos olhos na maior parte do tempo, mesmo compartilhando um mesmo ambiente.
O problema, porém, já vem gerando uma série de regras de boa conduta, como se fossem "mandamentos" do uso com smartphones, que BBC resume abaixo:

Restaurantes e banheiros

Apesar de haver grande diferença de opiniões a respeito, parece haver um consenso ao redor de algumas normas de etiqueta com os celulares, começando pela ideia de que a pessoa que nos acompanha fisicamente tem "prioridade absoluta" em relação a coisas como um bate-papo no Facebook, a consulta a correios eletrônicos ou a atualização da conta pessoal no Twitter.
Quando estamos em um restaurante, colocar o smartphone sobre a mesa é como dizer à outra pessoa que "estamos esperando que se apresente algo melhor". A regra é colocá-lo onde não seja visível e em silêncio durante toda a refeição.
Mas se isso é “doloroso” demais, outra opção seria colocá-lo numa capa ou deixá-lo virado para baixo, dando a entender que só será usado se for estritamente necessário. E se alguém ligar, o mais correto é se desculpar e sair da mesa para falar.
Assim como ouvir música a todo volume e conversar em voz muito alta não são bem vistos em público, o mesmo vale para entrar falando ao telefone no banheiro. As pessoas que estão dentro de um banheiro público ficarão gratas se você não fizer isso, assim como a pessoa que está do outro lado da linha, por não ter que ouvir o dono do celular puxando a descarga.
Além disso, as pessoas que trabalham como caixas, garçons ou outros profissionais que lidam diretamente com o público merecem respeito, e falar ao telefone ou observar a tela do aparelho enquanto é atendido pode ser considerado uma falta de respeito com eles, além de poder atrasar o serviço (já que o cliente está prestando atenção em outra coisa, o smartphone).
Outra norma que não deve ser esquecida, apesar de já estar mais difundida, é a de desligar o telefone em lugares que exigem silêncio, como a biblioteca, o cinema ou o teatro. Nos dois últimos casos, isso se aplica até mesmo à luz da tela, que pode atrapalhar outros espectadores.

Para continuar lendo clique aqui: http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2013/01/130125_normas_etiqueta_celulares_rw.shtml

domingo, 27 de janeiro de 2013

Tragédia no Rio Grande do Sul...


AFP




A tragédia que entristeceu este domingo é uma tradução da negligência da fiscalização brasileira. Sem mais.

Dados sobre Cuba...





Os dados a seguir foram retirados do Fascículo 02 da Revista Caros Amigos "Cuba Sem Bloqueio - resistência e criatividade".

"Cuba é referência mundial em educação, saúde, assistência e seguridade social, e na erradicação de grandes males que atingem países capitalistas, tais como a miséria, a fome, a desnutrição e analfabetismo".

"Desde 1959 se formaram na Ilha Caribenha 109 mil médicos, o que leva a OMS a considerar Cuba o país mais bem dotado neste campo".

"Cuba é o único país que eliminou a desnutrição infantil da América Latina, onde a realidade é alarmante: cerca de 49 milhões de famintos, segundo estudo realizado entre 2010 e 2012 pela FAO".

"O sistema de ensino cubano está classificado pela UNESCO como 14º melhor do mundo, e é o primeiro entre os países 'subdesenvolvidos'".

"O sistema de alfabetização cubano para adultos vem sendo aplicado com êxito em mais de 20 países da América Latina. Durante a década de 2000, por exemplo, o método erradicou o analfabetismo na Venezuela, na Bolívia e no Equador".


sábado, 26 de janeiro de 2013

670 mil refugiados...

A situação da Síria afeta outros países vizinhos.

"A crise na Síria já dura quase dois anos, forçando 670 mil pessoas a fugirem para Jordânia, Turquia, Líbano, Iraque e Egito. As previsões indicam que esse número ultrapassará 1 milhão até junho, o que representa o deslocamento de uma cidade inteira do tamanho de Campinas (SP). Em meio a esse cenário, a Jordânia alertou que pode fechar suas fronteiras caso a situação se intensifique. Segundo o reino árabe, os recursos do país se esgotaram ao receber 280 mil refugiados nos últimos meses".  http://www.cartacapital.com.br/internacional/vizinhos-ameacam-fechar-as-portas-para-refugiados-sirios/

Foto: B.Sokol/ACNUR
Acampamentos

Casas pré-montadas em campo de refugiados na Jordânia. Foto: B.Sokol
Casas pré-montadas

Imperialismo francês...

O imperialismo francês ou ajuda ao Mali? rs...



Do site da BBC:


França diz ter tomado bastião rebelde no norte do Mali

Atualizado em  26 de janeiro, 2013 - 20:42 (Brasília) 22:42 GMT
O Ministério da Defesa francês disse na noite deste sábado que as tropas do país tomaram o controle da cidade de Gao, um dos bastiões dos rebeldes no país africano onde os franceses iniciaram uma operação militar.
Gao havia sido tomada por militantes tuaregues e islâmicos em abril do ano passado.
O avanço dos franceses foi possível após as tropas conquistarem o controle do aeroporto e de uma ponte estratégica mais cedo.
Paris disse que os Exércitos do Chade e do Níger também entrarão no local para ajudar a manter o controle sobre a cidade e acrescentou que o prefeito de Gao, expulso após a invasão rebelde, voltou ao gabinete neste sábado.

_____________________________________________________________

Recursos naturais do Mali  - PORTAL VERMELHO

Ouro: O Mali é o terceiro maior produtor da África, com exploração em grande escala em andamento. O país é famoso pelo seu ouro desde os dias do grande Império Maliano. Na peregrinação a Meca do Imperador Kankou Moussa, em 1324, a sua caravana transportava mais de 8 toneladas de ouro! O Mali portanto tem sido um país mineiro durante mais de meio milénio.

Atualmente há sete minas de ouro em operação no Mali, as quais incluem: Kalana e Morila no Sul do país, Yatela, Sadiola e Loulo no Ocidente, e minas que recentemente recomeçaram a produzir, nomeadamente Syama e Tabakoto. Projetos de exploração avançada incluem: Kofi, Kodieran, Gounkoto, Komana, Banankoro, Kobada e Nampala.

Urânio: sinais encorajadores e exploração em plena atividade. A exploração está a ser executada por várias companhias com indicações claras de depósitos de urânio. O potencial de urânio localiza-se na área de Falea, a qual abrange 150 km2 da bacia Falea-Guiné do Norte, uma bacia sedimentar neoproterozoica assinalada por anomalias radiométricas significativas. Pensa-se que o potencial de urânio em Falea é de 5000 toneladas. O Projeto Kidal, na parte Nordeste do Mali, com uma área de 19.930 km2, abrange uma grande província geológica cristalina conhecida como L'Adrar Des Iforas. O urânio potencial no depósito Samit, só na região de Gao, é estimado em 200 toneladas.

Diamantes: O Mali tem potencial para desenvolver sua exploração de diamantes. Na região administrativa de Kayes (Região mineira 1), foram descobertos trinta (30) filões quimberlíticos dos quais oito mostram traços de diamantes. Cerca de oito pequenos diamantes foram encontrados na região administrativa Sikasso (Sul do Mali).

Pedras preciosas:
-Círculo de Nioro e Bafoulabe: Granadas e minerais magnéticos raros
-Círculo de Bougouni e Bacia Faleme: Pegmatite
-Le Gourma: granadas e corindons
-L'Adrar des Ilforas: pegmatite e minerais em metamorfose
-Zona Hombori Douentza: quartzo e carbonatos

http://www.vermelho.org.br/noticia.php?id_noticia=203981&id_secao=9

Distância entre revolução e "democracia"...

A revolução árabe ainda não garantiu a vivência pacífica e a institucionalização da "democracia" no Egito. 


Violência marca aniversário do levante contra Mubarak no Egito

Manifestantes na Praça Tahrir (Foto: AFP/Getty Images)


Atualizado em  25 de janeiro, 2013 - 16:56 (Brasília) 18:56 GMT

O segundo aniversário do levante que tirou do poder o presidente Hosni Mubarak, no Egito, foi marcado por violência nesta sexta-feira.
Segundo fontes médicas, pelo menos quatro pessoas morreram e 230 ficaram feridas em todo o país. A data é marcada por protestos em massa pedindo mais reformas políticas e econômicas.
Os manifestantes acusam o presidente Mohammed Morsi de trair a revolução. A oposição liberal acusa o governo de ser autocrático e ter concebido uma nova Constituição que não protege adequadamente a liberdade de expressão ou de religião.
O presidente (Mohamed Morsi) rejeita as críticas e pediu calma e o fim dos confrontos.


Revoluções árabes...


Países: Iêmen; Líbia; Síria; Tunísia; Egito.


A Primavera Árabe representou e representa uma grande conquista para o mundo árabe, sobretudo para àqueles que são constantemente reprimidos de forma laboral, ideológica, religiosa, social, cultural, etc. As lutas e protestos ocorridos no Iêmen, Líbia, Tunísia e Egito em muito contribuíram para o fim de ditaduras históricas traduzidas em nomes como o de Ali Abdullah Saleh, Muammar al-Gaddafi, Ben Ali e Hosni Mubarak. No entanto, existe uma grande distância entre a derrubada de ditadores em busca da democracia e a institucionalização desta democracia. A organização de eleições, do Parlamento e da Constituição não é tarefa simples e tem se revelado tão árdua quanto os protestos que derrubaram os ditadores. 
Na Síria a revolução está em processo, a oposição popular luta contra o regime autocrático de Bashar Al-Assad. Estima-se que desde março de 2011, período de eclosão dos protestos, já tenham sido mortos aproximadamente 40 mil pessoas. 



*Imagens do google.imagens.

sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

Energia eólica no Japão... O uso de fontes alternativas é possível...


Japão: maior usina eólica do mundo substituirá Fukushima

Ciclismo: opção saudável e inteligente...


Bares e restaurantes argentinos dão descontos para ciclistas

Atualizado em  25 de janeiro, 2013 - 07:28 (Brasília) 09:28 GMT

Bares e restaurantes de Buenos Aires estão oferecendo descontos ou promoções para os clientes que chegam em bicicletas. A iniciativa ocorre no momento em que cresce a extensão das ciclovias na cidade e a preocupação com o meio ambiente.

Grafite no bar Soria (foto: Facebook)
A tendência das promoções especiais para ciclistas começou no ano passado em bares, restaurantes e festivais de música. Os próprios donos de alguns desses estabelecimentos adotaram o veículo em seu cotidiano.As sócias do restaurante La Apasionada, no bairro de Vicente López, na província de Buenos Aires, disseram que oferecem descontos de 15% para os que chegam de bicicleta.
"Nós decidimos oferecer o desconto para apoiar os usuários do veiculo e defender o meio ambiente", disseram Flor Aprile e Ana Camblor.
O restaurante está a cerca de quinze quarteirões das ciclovias, mas em uma região onde é cada vez mais comum se deslocar de bicicleta, não só para passeio.
Já na entrada ao local, afirmou Aprile, é possível ver quem chega pedalando e receberá o desconto na hora de pagar a conta. "Além do desconto, nos preocupamos em ter uma área para o estacionamento das bicicletas", disse.

Chá grátis

A rede de chás, sucos e saladas Tea Connection, presente em vários bairros de Buenos Aires, oferece estacionamento aos ciclistas. Para eles, o "segundo chá é grátis", como contou o gerente de um restaurante da rede no bairro da Recoleta.
Os donos do bar Soria, no badalado bairro de Palermo, costumam ir de bicicleta ao trabalho e incluíram estacionamento para o veiculo no estabelecimento.
"Achamos que a bicicleta oferece um pacote de benefícios para qualquer pessoa. É saudável, econômica e com ela não se depende de transporte publico", disse Hernán Buccino, um dos donos do bar.
No Soria, o grafite de uma bicicleta, assinado pelo grafiteiro argentino Mart, já indica o perfil dos donos e frequentadores. Os clientes do local têm entre 25 e 35 anos.
Quando os dois estacionamentos para bicicletas (eles têm capacidade para doze bikes e lotam rapidamente) estão ocupados, as bicicletas são presas com cadeados nos postes do bairro.
"Acho que as ciclovias ajudaram a esse comportamento na cidade", disse Buccino.

Shows

Na Argentina, ciclistas também não pagam para assistir alguns shows musicais, como nas noites de sexta-feira na discoteca Studio Croba, nos bosques de Palermo - organizadas pelo coletivo MSTRPLN (Masterplan).
"As pessoas que entram com as bicicletas não pagam. Mas a maioria ainda chega de carro ou de táxi", disse Andii Dieciséis, organizador do MSTRPLN, que também costuma se locomover em bicicleta.
A onda de viajar em bicicletas gerou outras iniciativas como o mapa mostrando as promoções para os ciclistas no site 'La Vida em Bici' ('A vida de bicicleta'). O mapa inclui ainda informações úteis como onde estacionar, onde existem ciclovias e outros dados.

Bibliotecas às moscas...


Na berlinda, bibliotecas se reinventam no Brasil e no mundo

Atualizado em  25 de janeiro, 2013 - 09:30 (Brasília) 11:30 GMT

Futura biblioteca de Aarhus, na Dinamarca
A futura biblioteca de Aarhus, na Dinamarca, será parte de um complexo multiuso e tecnológico

Reduções nas verbas, perda de protagonismo do livro para mídias digitais e, em muitos casos, declínio no número de visitantes. O cenário atual é preocupante para bibliotecas públicas de todo o mundo, mas muitas estão aproveitando o momento para se revitalizar, embarcar em novos formatos e em novas tendências urbanísticas.
O objetivo é atrair antigos e novos visitantes e, em muitos casos, virar um centro de referência sociocultural, em vez de apenas um local de leitura.
Na Dinamarca, a futura biblioteca de Aarhus será parte de um grande complexo urbano, inserido nos planos de revitalização da baía da cidade.
O complexo, a ser concluído em 2015, vai incluir repartições públicas, espaços para shows, cursos e reuniões, áreas para serem alugadas à iniciativa privada e um café com vista para a baía. Móveis modulados permitirão que as salas da biblioteca sejam usadas para diferentes propósitos ao longo dos anos, de acordo com a demanda dos usuários.
"É muito mais do que uma coleção de livros", diz à BBC Brasil Marie Ostergard, gerente do projeto. "É um local de experiências e serviços. Notamos que precisávamos dar mais espaço para as pessoas fazerem suas próprias atividades ou para se encontrar."
http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2013/01/130122_bibliotecas_1_tendencias_pai.shtml

O modelo dinamarquês parece bem atrativo!

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Peixe "Frankenstein"...


Salmão com gene de enguia pode chegar em breve à mesa de jantar

Atualizado em  24 de janeiro, 2013 - 06:53 (Brasília) 08:53 GMT


Biólogos acreditam estar prestes a conseguir produzir o primeiro peixe geneticamente modificado para consumo humano.
Mas que efeito isso pode ter nos ecossistemas globais?

A AquaBounty tenta há 17 anos obter aprovação oficial para que seu peixe chegue às mesas de jantar. Agora, essa aprovação parece estar próxima.A empresa de biotecnologia americana AquaBounty trabalha no Canadá para criar ovas de um salmão transgênico do Oceano Atlântico. Essas ovas podem se tornar salmões parecidos com seus primos naturais, mas devem chegar ao seu tamanho máximo duas vezes mais rápido.
A FDA, agência que regula alimentos e medicamentos nos EUA, acaba de declarar que o salmão transgênico "não tem impacto significativo", o que costuma ser o último passo antes de um aval final.
Se isso se confirmar, o salmão será o primeiro animal geneticamente modificado aprovado para consumo humano.
Ainda há margem para que se apresentem objeções, mas David Edwards, da Organização da Indústria Biotecnológica, crê que a aprovação é certa.

As opiniões divergem sobre o assunto:
Parem o ataque dos peixes Frankenstein - AVAAZ.ORG
Os EUA estão prestes a servir a primeira carne modificada geneticamente do mundo: um salmão mutante que pode devastar as populações de salmão selvagens e ameaçar a saúde humana. Mas podemos impedí-los agora antes que esse estranho peixe Frankenstein apareça em nossos pratos de comida. 

O novo salmão falso cresce duas vezes mais rápido que o original, e nem mesmo os cientistas sabem os efeitos a longo prazo que ele pode causar à saúde. Ainda assim, esse alimento está prestes a ser declarado seguro para consumo, baseado em estudos pagos pelas empresas que criaram a própria criatura modificada geneticamente! Felizmente, os EUA são obrigados legalmente a considerar a opinião pública antes de tomarem uma decisão. Uma crescente coalizão de consumidores, ambientalistas e pescadores estão pedindo ao governo que abandone esse plano mal-cheiroso. Vamos urgentemente criar uma avalanche de apoio global para ajudá-los a vencer essa causa.


quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

A Europa diante da hegemonia alemã...

Imagem scanneada da reportagem: "Europa diante da hegemonia alemã" da Revista Le Monde Diplomatique Brasil


Sobre o cinema nacional...


Compartilho a interessante opinião de Vladimir Safatle (publicado na Folha ontem)...
22/01/2013 - 03h30

Cinema nacional


Muitos dos que acompanham, com interesse, a produção cinematográfica recente se perguntam sobre o que acontece com o cinema nacional.
Alguns de nossos vizinhos, como a Argentina e o Chile, conseguiram estabelecer uma produção constante de qualidade, capaz de aliar força dramática e reflexão sociopolítica -como o recente "No", de Pablo Larraín, ou o mais antigo "O Segredo dos seus Olhos", de Juan José Campanella.
Em certos momentos, tal produção soube, inclusive, explorar, de maneira audaciosa, modificações na forma narrativa cinematográfica tradicional (como o imperdível "Pompeya", de Tamae Garateguy). Já a produção nacional se caracteriza pela intermitência.
Nos últimos dez anos, o Brasil conheceu alguns filmes que nos fizeram acreditar no possível aparecimento de um novo patamar na produção nacional. Eles vieram principalmente do Nordeste, como "O Céu de Suely", de Karim Aïnouz, e "Cinema, Aspirinas e Urubus", de Marcelo Gomes. No entanto, salvo honrosas exceções, a constância de boas produções acabou por não se confirmar, mesmo que, do Nordeste, ainda venham filmes capazes de fornecer bons retratos sociais, como o recente "O Som ao Redor", de Kleber Mendonça Filho.
Ao que tudo indica, o cinema nacional escolheu duas vias principais. De um lado, uma associação com a televisão e com diretores vindos majoritariamente da publicidade, com suas narrativas unidimensionais e estética espetacular. Daí vêm as produções nacionais com maior bilheteria, normalmente comédias de costumes, retratos de heróis da cultura de massa ou filmes cuja maior função é estilizar os fantasmas tradicionais da classe média assustada, como o já muito comentado "Tropa de Elite".
Desde a época da Vera Cruz e da Atlântida, o cinema brasileiro parece lutar para construir um polo de indústria cultural que abasteça o mercado nacional, como se estivéssemos no interior de uma espécie de lógica retardatária de substituição de importações.
Mas a via mais criativa do cinema brasileiro recente foi o documentário, como mostra a tese "Jogos de Cena - Ensaios sobre o Documentário Brasileiro Contemporâneo", de Ilana Feldman. O que não é de estranhar em um país onde mesmo sua tradi-ção literária do século 20 teve um forte peso realista. Realismo que não deixa de cobrar seu preço quando se trata de explorar a linguagem cinematográfica.
Diante dessas duas vias, preso entre sua tradição realista e a lógica da indústria cultural, o cinema brasileiro recente ainda não conseguiu abrir uma terceira via.
VLADIMIR SAFATLE escreve às terças-feiras
Vladimir Safatle
Vladimir Safatle é professor livre-docente do Departamento de filosofia da USP (Universidade de São Paulo). Escreve às terças na Página A2 da versão impressa.

terça-feira, 22 de janeiro de 2013

Dicas de estudo e vestibular...

Alunos do Ensino Médio se preparem para um ano intenso de estudos!
Fiquem ligados!


Sites com conteúdo escolar, exercícios, simulados e vídeos:

Sites de atualidades:


Sites de universidades e faculdades públicas do Paraná:



“Não tenhamos pressa, mas não percamos tempo” (José Saramago em A Caverna).



TIO SAM MOBILIZA ROBÔS...

TIO SAM MOBILIZA ROBÔS CONTRA SERES HUMANOS é o título de uma reportagem da Revista Caros Amigos  de Janeiro n. 190/ano XVI.

A utilização de Drones (aviões não tripulados) em missões de ataques e execuções seletivas de "inimigos" anuncia novo estágio na história das guerras.
Por José Arbex Jr.
O pássaro metálico aproxima-se da aldeia pashtun localizada na região do Waziristão, a noroeste do Paquistão, fronteira com o Afeganistão. A aldeia está em festa: convidados usam roupas coloridas e aguardam a chegada da noiva, com muita música, dança e comida. As crianças brincam, os mais velhos falam da vida. Repentinamente, o avião, em voo rasante, dispara um míssil e desaparece no horizonte. Deixa vários mortos, dezenas de feridos, a aldeia em ruínas. O detalhe mais curioso é que ninguém tripula o avião. Ou melhor, ele é tripulado por controle remoto, por algum soldadozinho de Tio Sam confortavelmente instalado em alguma base militar situada nos Estados Unidos, a milhares de quilômetros da aldeia. O avião é um drone, veículo aéreo não tripulado (UAV, na sigla em inglês), a mais nova coqueluche da indústria bélica estadunidense. E Barack Obama é seu fã incondicional.
Os Drones podem ser grandes e levar bombas e mísseis, e também pequenos para atuar como espiões e registrar filmes e imagens de determinados locais/pessoas.
Leia parte da reportagem na imagem a seguir:



Curiosidade - Presidentes distribuídos por Estados

No mapa a seguir pode ser visualizado a espacialização dos 34 presidentes que exerceram um ou mais mandatos no Brasil de acordo com seu Estado de origem.
Os Estados com maior número de presidentes da República eleitos são: Minas Gerais (7), Rio de Janeiro (6), Rio Grande do Sul (5) e São Paulo (4). Pode parecer estranho São Paulo possuir apenas 4 presidentes eleitos, pois trata-se de um Estado com grande força política desde o início do Brasil República. São Paulo também participou da política do Café com Leite, arranjo político da República Velha no qual representantes de São Paulo e Minas Gerais alternavam a presidência. A questão é que alguns políticos, originários de diferentes estados brasileiros, construíram sua carreira e adquiriram importância e visibilidade nacional em São Paulo, como por exemplo, Lula (nascido em Pernambuco e deputado por São Paulo), FHC (nascido no Rio de Janeiro e senador por São Paulo) e Jânio Quadros (nascido no Mato Grosso do Sul, prefeito e governador de São Paulo).
A origem dos presidentes é um dado interessante sobre o poder e a hegemonia dos Estados, mas deve ser considerado outras questões para realizar uma análise completa.

Mapa elaborado por Jeinni Puziol (2013)

sábado, 19 de janeiro de 2013

ELIS REGINA...

19 de janeiro, morre Elis Regina, a maior cantora brasileira de sempre


AUTOR: JOANA TELES
SÁBADO, 19 JANEIRO 2013 00:00
Considerada a maior cantora brasileira de todos os tempos, Elis Regina inscreveu o nome na lista de eternos do mundo lusófono. Recorda-se hoje, dia da sua morte, que coincide com a data de nascimento de duas das maiores cantoras norte-americanas, Janis Joplin e Dolly Parton, e de um grande poeta português: Eugénio de Andrade.
Hoje é dia de recordar Elis Regina, uma das grandes intérpretes do mundo, considerada a diva maior da música brasileira, onde proliferam talentos. Elis nasceu em Porto Alegre, a 17 de março de 1945, e destacou-se pela voz, personalidade e por uma presença em palco algo burlesca.
Na sua música, na mesma música, cantou a melancolia e a felicidade, o reencontro e a saudade, o proximidade e a desavença, realidades e sentimentos contraditórios, que concederam uma particularidade à sua interpretação. Muitos críticos elegem-na como a maior cantora brasileira de todos os tempos.
Encantou o mundo lusófono com temas como ‘Falso Brilhante’ e ‘Transversal do Tempo’, emergindo na década de 60, com participação em diversos festivais. Elis Regina foi a primeira estrela da canção popular brasileira da televisão, numa altura em que outras grandes cantoras contemporâneas, como Maria Bethânia, se dedicavam ao canto noutras áreas, como o teatro.
Elis muda-se para São Paulo em 1964, onde alcançou grande sucesso, numa cidade de cultura efervescente. Cantou música popular, bossa nova, samba, jazz e até rock. Deu notas de arte ao amor e à tristeza, sentiu com patriotismo um Brasil que vivia em ditadura militar. Trabalhou com nomes então desconhecidos, como Milton Nascimento ou Ivan Lins, permitindo que alguns lançassem a sua carreira. Fez duetos com Jair Rodrigues, Tom Jobim, Rita Lee e com Chico Buarque, entre outros.
Idolatrada pelos brasileiros, morre precocemente em São Paulo, a 19 de janeiro de 1982, apenas com 36 anos. Uma vida obscura de dependências, de álcool e de droga, silencia a voz maior e choca uma sociedade feliz com a voz de Elis Regina.
Nasceram a 19 de janeiro James Watt, inventor da máquina a vapor (1736), Auguste Comte, filósofo francês (1798), Edgar Allan Poe, escritor norte-americano (1809), Paul Cézanne, pintor francês (1839), Pérez de Cuéllar, político peruano, ex-secretário geral da ONU (1920), Eugénio de Andrade, escritor português (1923), Janis Joplin, cantora norte-americana (1943), Dolly Parton, cantora norte-americana (1946) e Stefan Edberg, tenista sueco (1966).
Morreram neste dia William Congreve, poeta e dramaturgo inglês (1729), Esteban Echeverría, escritor argentino (1851), Pierre-Joseph Proudhon, anarquista francês (1865), Elis Regina, cantora brasileira (1982) e Fiama Hasse Pais Brandão, poetisa portuguesa (2007).

http://www.ptjornal.com/2013011913495/geral/hoje-e-dia/19-de-janeiro-morre-elis-regina-a-maior-cantora-brasileira-de-sempre.html

sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

Amanhã: 31 anos sem a melhor voz do Brasil...

Elis Regina... 
"Pra variar estamos em guerra"...

Charge do Passapalavra...

Aeroporto em Munique - Imagem do dia...

Passageiros dormem no saguão do aeroporto em Munique e esperam notícias sobre vôos cancelados por conta da neve
Munique, capital do estado federal da Baviera na Alemanha.

National Geographic celebra 125 anos de aventura...


A National Geographic Society está comemorando os seus 125 anos.
Durante o período, a sociedade, com sede nos Estados Unidos, deixou de ser uma pequena organização científica fundada com o objetivo de aumentar e difundir conhecimento geográfico e se tornou uma das maiores organizações educacionais e científicas do mundo.
Sua conhecida revista, National Geographic, pulicada pela primeira vez em 1888, é um referencial mundial de imagens e informações sobre o mundo e a natureza.
As fotos nesta galeria relembram momentos marcantes da história da sociedade e suas grandes expedições.
Elas mostram, por exemplo, jornadas de exploração rumo ao Polo Norte, no México e até mesmo na Lua.

Algumas fotografias...

Homem na lua
Titanic
Desfile na Praça Vermelha

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Carbono Negro...


Fuligem impacta aquecimento 'o dobro do imaginado'

Atualizado em  16 de janeiro, 2013 - 13:01 (Brasília) 15:01 GMT

Carbono negro, ou fuligem, contribui muito mais para o aquecimento global do que anteriormente reconhecido, segundo pesquisa.
Os cientistas dizem que as partículas liberadas por motores a diesel e queima de madeira podem estar tendo um efeito que é o dobro do imaginado em estimativas anteriores.
Foto: BBC
Queima de carvão tem impacto maior do que imaginava
A pesquisa foi publicada no Journal of Geophysical Research-Atmospheres.
Durante muitos anos, micropartículas de carbono negro suspensas no ar sempre foram considerados importante fator de aquecimento da atmosfera, por absorverem luz solar. A substância também acelera o derretimento do gelo e da neve.
Este novo estudo conclui que essas partículas escuras têm efeito de aquecimento equivalente a dois terços do provocado pelo dióxido de carbono, e maior do que o metano.
"A conclusão é de que o carbono negro está causando mais impacto na atmosfera", disse a autora do estudo, Sarah Doherty, à BBC.
"O valor na atmosfera observado no quarto relatório de avaliação, de 2007, era metade do que o que estamos apresentando neste relatório - o que é um pouco chocante".

http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2013/01/130116_carvao_rp.shtml

Fora a vergonha na Câmara, o que mais irritou essa semana?

Ouvir um sujeito rico dizer: que bom que fecharam as farmácias populares mesmo, pois isso aí era uma lavagem de dinheiro. Eu: mas se é que...