terça-feira, 30 de abril de 2013

Presos terão de trabalhar mais para ver TV na Grã-Bretanha...


Presos terão de trabalhar mais para ver TV na Grã-Bretanha

Atualizado em  30 de abril, 2013 - 07:49 (Brasília) 10:49 GMT
Detentos britânicos contarão com diversas restrições
Autoridades da Inglaterra e do País de Gales determinaram que presidiários terão de trabalhar mais para ter o direito a privilégios como o de assistir TV em suas celas.
Os detentos foram advertidos que o bom comportamento apenas "não será suficiente" para que eles "obtenham privilégios".

O secretário da Justiça britânico, Chris Grayling, defendeu a ação, dizendo que "no passado, nós enviamos a mensagem errada".TVs a cabo e TVs por satélite, disponíveis em algumas prisões particulares, serão inteiramente proibidas.
Entre outras mudanças figuram a introdução de um dia mais longo de trabalho para os presidiários, o veto a assistir filmes censurados para menores de 18 anos, condicionar o ato de passar mais tempo na academia de ginástica ao ato de estar "ativamente envolvido com o processo de reabilitação".

Uniformes

Além disso, presidiários terão de usar uniformes o tempo todo e as prisões terão mais poder para cobrar, de prisioneiros, ressarcimento por danos à propriedade na prisão.
As autoridades britânicas ainda estão discutindo possíveis mudanças em relação aos privilégios dados a presidiárias.
A diretora do Prison Reform Trust, Juliet Lyon, organização que defende reforma do sistema carcerário britânico, disse que era "perfeitamente razoável" pôr fim à assinatura de canais de TV por assinatura, bem como proibir "alguns detentos que cometeram crimes violentos de assistir filmes censurados para menores de 18 anos".
"Mas o uso do termo 'privilégios' é enganoso, já que implica que há muitos luxos na prisão, quando claramente não é esse o caso", afirma Lyon.
O importante, segundo a ativista, "é focar no que é eficaz e não no que parece ser duro. Não há provas de que medidas ditas duras são as que funcionam".

Vilarejo francês milionário pede ideias para gastar dinheiro...


Vilarejo francês milionário pede ideias para gastar dinheiro

Atualizado em  30 de abril, 2013 - 10:03 (Brasília) 13:03 GMT
Arfons | Foto: Prefeitura de Arfons
Prefeito decidiu consultar população sobre o que fazer com excesso de orçamento
Neste período de crise na Europa, em que governos municipais também são obrigados a cortar despesas, um vilarejo francês ficou "milionário” e não sabe mais onde gastar seu orçamento, quintuplicado em apenas três anos graças a um parque eólico instalado em sua área.
O orçamento anual de Arfons – pequeno vilarejo com somente 182 habitantes, situado no sudoeste da França e distante 60 quilômetros de Toulouse – passou de 400 mil euros (cerca de R$ 1,04 milhão) em 2009 para 2,3 milhões de euros (cerca de R$ 6,02 milhões) atualmente, disse o prefeito, Alain Couzinié, à BBC Brasil.
O aumento considerável da receita é decorrente dos impostos pagos pela empresa que administra o parque eólico instalado no vilarejo.
Com os novos recursos, o prefeito já renovou o salão de festas da cidade, comprou um ônibus escolar e terrenos para ampliar o cemitério. Também lançou projetos de renovação do sistema de esgoto e de água, que estão em fase avançada.
Novos armazéns para guardar equipamentos recentemente comprados, como tratores e máquinas para retirar neve, também foram adquiridos pelo governo municipal.

Consulta popular

Sem saber onde mais gastar o dinheiro sobrando, o prefeito de Arfons decidiu realizar uma consulta popular, e cerca de três semanas atrás, os moradores apresentaram em uma reunião pública suas ideias de melhorias para a cidade.
Arfons | Foto: Prefeitura de Arfons
Instalação de parque eólico fez orçamento de pequeno vilarejo no sudoeste da França quintuplicar
"No início, achei que as propostas seriam para fazer obras importantes, como construir uma piscina municipal ou um estádio”, disse o prefeito à BBC Brasil.
Mas os habitantes foram bem mais modestos e sugeriram apenas melhorias simples no cotidiano. A lista de sugestões inclui, por exemplo, programas de limpeza de excrementos de pombos ou para acolher gatos de rua e lutar contra vespas.
Embelezar a cidade com flores, instalar bancos públicos e um quebra-molas na estrada na entrada do vilarejo ou ainda renovar a antiga cabine telefônica feita de madeira também são algumas das ideias dos moradores para gastar o excedente orçamentário.

Bar

"No começo, fiquei decepcionado. Mas, depois, vi que são essas pequenas coisas que fazem a qualidade de vida dos moradores e são importantes para eles”, disse o prefeito à BBC Brasil.
Uma das principais reivindicações dos habitantes de Arfons foi a reabertura do único café do vilarejo.
"No começo, fui contrário à ideia porque não cabe a uma prefeitura administrar um bar, mas depois entendi que o lugar é importante para criar relações sociais”, diz Couzinié.
A prefeitura comprou os dois prédios onde funcionava o bar que, no passado, havia sido um hotel-restaurante e vai renová-los. O investimento total é de um milhão de euros, segundo o prefeito.
Couzinié conta que, primeiro, será reaberto o café, que poderá também ter uma clientela turística, já que Arfons se situa na área da Montanha Negra, que atrai muitas pessoas que fazem caminhadas na natureza.
"Depois, vamos abrir o restaurante e alguns comércios no local, como padaria e lojas de alimentos, que não existem mais em Arfons. Em uma terceira etapa, vamos criar alguns quartos para hospedagem”, disse o prefeito à BBC Brasil.

Obama divulga presentes recebidos em 2011; Brasil deu o segundo mais caro...


O Departamento de Estado americano divulgou nesta semana uma lista de presentes recebidos pelo presidente Barack Obama de líderes estrangeiros no ano de 2011.
Coube ao Brasil a segunda posição no ranking dos mais generosos, com uma fotografia do artista Vik Muniz intitulada "Marat (Sebastião)", avaliada em US$ 40 mil (R$ 80,1 mil), que faz releitura da obra "Marat Assassinado", de Jacques-Louis David.
O "mimo" foi entregue a Obama pelo governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB), e, de acordo com a legislação, deverá ser doado para um museu, onde permanecerá em exposição.
O único que gastou mais foi o presidente do Gabão, Ali Bongo Ondimba, que deu ao americano uma escultura de uma máscara azul avaliada em US$ 52.695 (R$ 105,5 mil).

"Marat Sebastião" (2008), do artista plástico brasileiro Vik Muniz
Entre os outros presentes brasileiros estão uma escultura de madeira em forma de globo, com o Brasil em destaque, feita pelo artista Eduardo Eleutério, além de vários agasalhos esportivos, incluindo o da seleção brasileira de futebol, o do Flamengo e o do Fluminense, destinados não só a Obama mas também à sua mulher, Michelle, e às filhas do casal, Sasha e Malia.
Há ainda cópias das obras "Memórias de um Sargento de Milícias", de Manuel Antônio de Almeida, "Casa Velha", de Machado de Assis.
Outro presente que se destacada são duas caixinhas de joias dadas pela presidente Dilma Rousseff às filhas dos Obama, avaliadas em US$ 470 (R$ 941).
Conforme a listagem, a justificativa do governo americano para receber os presentes é o fato de que a recusa "causaria constrangimento ao doador e ao governo". Da lista constam ainda mais camisas, canetas, esculturas e diversos tapetes.

Circo...

Hoje acordei pensando... O que seria do circo sem os palhaços? Tem gente que acha que inventa uma roda todo dia... Acaba não bRaZiU!