sexta-feira, 29 de abril de 2016

Bom final de semana...

Finalizo as postagens da semana com duas imagens feitas em viagem ao estado de Alagoas.

Trabalhadoras sobrevivendo ou subsistindo?

Enquanto isso o show de horrores em Brasília e na política partidária em sua plenitude... continua...

Fotografia: Ana Cristina Teodoro da Silva

Fotografia: Jeinni Puziol

Para além do histórico 29 de abril de 2015 em Curitiba...

"Que continuemos a nos omitir da política é tudo o que os malfeitores da vida pública mais querem" (Bertolt Brecht).

Um ano atrás eu escrevi um texto para este blog refletindo sobre o dia 29 de abril de 2015. A reflexão continua de mostrando atual... pois os problemas e as dificuldades de pensar e se articular coletivamente persistem... mas persistem também as lições da luta coletiva... e a urgente necessidade da união para que o futuro seja bem melhor que aquilo que vivemos hoje.

No Paraná e no Brasil o conceito de Democracia está na ordem do dia (nos dois lados que dividem a população brasileira - vou repetir: dois lados... risos... como se só houvessem dois e como se isso a "briga" entre ambos estivesse trazendo alguma melhoria pra nação e seu povo) mas ninguém dialoga, ninguém se ouve... e seguimos bradando por democracia... período de pobreza de pensamento, mas uma pobreza intelectual acompanhada de muita "argumentação" [SIC] munida de um profundo do arsenal teórico, metodológico e filosófico adquirido via Facebook, WhatsApp e Twitter [sic]!

Crise de representativa democrática numa teia política que assusta pela sua lama e falta de princípios onde sujeitos corruptos, investigados, condescendentes e desinformados, decidem o futuro de uma nação repleta de problemas estruturais e conjunturais que partido algum está preocupado em resolver... pois o que importa mesmo são os projetos de poder...

E diante de tudo isso... nós professores não podemos desistir. São das escolas e universidades que podem sair sujeitos sociais melhores que podem/devem fazer diferença... por menor que seja nossa atuação cotidiana, ela é essencial numa concepção ampliada de política que vê nas ações humanas-sociais uma forma de buscar uma realidade mais justa para as pessoas.

Para relembrar... Imagens de Curitiba em 29 de abril de 2015.
Créditos: Jeinni Puziol (Apple e Canon 2016).


*Não me lembro que fotografou essa.








*Não me lembro que fotografou essa.



terça-feira, 26 de abril de 2016

PRIMAVERA NOS DENTES... SECOS E MOLHADOS!



Quem tem consciência pra se ter coragem
Quem tem a força de saber que existe
E no centro da própria engrenagem
Inventa contra a mola que resiste

Quem não vacila mesmo derrotado
Quem já perdido nunca desespera
E envolto em tempestade, decepado
Entre os dentes segura a primavera...

domingo, 17 de abril de 2016

Arquivos de Aula (Letras, Educação Física, Geografia e Filosofia)

Alunxs,

Abaixo é possível acessar os textos de aula.

Boa leitura!

Professora Jeinni Puziol

"A leitura é uma fonte inesgotável de prazer, mas por incrível que pareça, a quase totalidade, não sente esta sede" (CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE).


Programa e Ementa - Letras

Programa e Ementa - Filosofia

Programa e Ementa - Educação Física

Programa e Ementa - Geografia

Cronograma - Educação Física (atualizado)

Cronograma - Letras (atualizado)

Cronograma - Filosofia (atualizado)

Cronograma - Geografia (atualizado)

Texto 1 - Marilena Chauí

Texto 2 - Sofia Lerche Vieira

Texto 3 - Dados IES Brasil e Paraná

Texto 4 - Verbetes

Texto 5 - Neoliberalismo - José Paulo Netto e Marcelo Braz

Texto 6 - Constituições - Sofia Lerche Vieira

Texto 7 - Márcia Tiburi

Texto 8 - Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional

do Passa...


Cartomante - Elis Regina

Acima dos muros por Eliane Brum

Compartilho texto de Elaine Brum. Leia e reflita.


Nem de um lado nem de outro: o que dizem aqueles que têm, como posição, uma recusa às narrativas de adesão

Em cima do muro. Isentão. Colaboracionista do golpe. Covarde. Omisso. Ingênuo. Burro.
Estes são alguns dos nomes dados a quem não está em nenhum dos lados do Brasil polarizado. Não se alinha – muito menos se enfileira – nem na narrativa #ImpeachmentJá nem na “#NãoVaiTerGolpe. Nem amarelo, nem vermelho. E, assim, é achincalhado pelos dois lados, como traidor de ambos.
Como disse Bruno Cava: “Me situo nesse lugar nada confortável de ser a esquerda que a direita gosta – e a direita que a esquerda gosta. Mas que, no fundo, ninguém gosta. Lugar de pensamento que ainda balbucia, mas que ainda pensa”. Ou, nas palavras de Bruno Torturra, que se apresenta como “desidentificado”: “Prefiro a vertigem da desidentificação do que o falso refúgio das bandeiras de sempre”.


Como afirmei em meu artigo anterior, não estar em nenhum dos lados é posição. E forte. Silenciá-la, pela desqualificação, é uma perda num momento em que, mais do que nunca, as vozes precisam ser ampliadas e não reduzidas. Muito menos caladas. “Os discursos partidários, pronunciados por muitos e sempre da mesma forma, tem sufocado, com sua abundância repetitiva, os discursos independentes”, diz Pablo Ortellado. Ou, na expressão de Moysés Pinto Neto: “É como um vórtice bipolar, sugando tudo para seu interior e reduzindo todas as posições às suas referências”.
O país está, aparentemente, dividido por muros que impedem qualquer contato que não seja aos gritos. Ou que se realiza pelo espancamento, na tentativa de deletar literalmente o outro do espaço público. Os muros dos condomínios fechados, as cercas eletrificadas ganharam as ruas. E ninguém mais se escuta, cada pessoa um muro em si mesma, um portão armado, um vidro blindado e com insufilm.
É preciso promover o desarmamento. É necessário tentar enxergar acima dos muros – e derrubá-los. Não a marretadas, mas pelo instrumento mais subversivo desse momento histórico: o diálogo. A conversa que só pode acontecer pelo reconhecimento do outro como alguém que pensa diferente, não como um inimigo a ser eliminado.
Em vez de aderir ao conforto de um dos lados, pode ser importante fazer o mais difícil: sustentar o não saber
É muito duro sustentar o lugar de não saber. Penso que é com essa dificuldade que também nos deparamos. Tenho dúvidas se não é por isso que uma parte das pessoas, à direita e à esquerda, prefere aderir ao conforto de uma das narrativas, para pelo menos se iludir que há uma resposta, que há alguém que sabe. Aderir como tentativa de estancar a angústia de sentir-se sem chão. Talvez seja o momento de suportar o não saber e acolher as incertezas. Mas em movimento, no movimento da busca.
No que se refere ao campo das esquerdas, também tenho dúvidas se não há, de novo, mais uma exortação ao “menos pior”, à eterna esperança da tal guinada à esquerda. Ou algo correspondente ao “voto útil” aplicado às manifestações. Mais uma conclamação, como se viu em eleições recentes e especialmente na última. Será que os dias seguintes não mostraram, de forma bastante eloquente, que isso já não deu certo? Que isso só alargou o abismo e que já passou da hora de encarar o buraco e enfrentar os conflitos, por mais duro que seja, para que pelo menos exista uma chance de criar possibilidades?
O diálogo é tão urgente que tem de ser provocado em todos os lugares. Percebi que, neste momento, nem na minha própria coluna de opinião posso falar sozinha. Convidei para este espaço, para nos ajudar a nos movermos, para além do que cada um acredita, algumas pessoas que têm ousado pensar e escrever, em geral em blogs e nas redes, sobre esse momento tão movediço, em que poucos se arriscam a dizer além do já dito. E a pensar fora das narrativas de adesão de um e outro lado. Estas, que já decoramos.
Trago para este espaço as vozes abafadas, as daqueles que não estão “em cima do muro”, mas “acima dos muros”, no plural. Moysés Pinto Neto é escritor, professor da Universidade Luterana do Brasil, graduado em direito e doutor em filosofia. Sua leitura do Brasil pode ser acompanhada no blog O Ingovernável. Bruno Torturra se dedica a experimentar novos caminhos para a participação política e para o jornalismo, a partir das possibilidades de hiperconexão. Fundou a Mídia Ninja, essencial na cobertura de Junho de 2013, e se distanciou dela a partir do final daquele ano. Hoje, toca o Estúdio Fluxo. Pablo Ortellado é filósofo, professor do curso de Gestão de Políticas Públicas na Universidade de São Paulo e coautor de Vinte centavos: a luta contra o aumento, entre outros. Ele testemunhou, como pesquisador, todas as manifestações contra e a favor do impeachment organizadas em São Paulo. Bruno Cava, autor de A multidão foi ao deserto, entre outros livros, e blogueiro do Quadrado dos Loucos, também é um atento investigador das ruas, pesquisador de lutas e movimentos urbanos há 11 anos, associado à Universidade Nômade.
Eles responderam, por e-mail, a três perguntas propostas por mim. Embora esses quatro interlocutores estejam próximos do campo das esquerdas, há diferenças consideráveis no seu modo de compreender esse momento. E há quem considere o conceito de esquerda, assim como o de direita, superados, insuficientes e redutores. De modos diferentes, os quatro são observadores atentos de Junho de 2013 – o ponto de inflexão que não parece ter sido compreendido por protagonistas de ambos os lados.
A ideia, aqui, não é construir um terceiro discurso – ou um terceiro lado. Isso também seria empobrecedor. Não há homogeneidade. E é mais interessante que ela não exista, que os discursos possam ser múltiplos. Talvez, por isso, também seja difícil – ou mesmo impossível – nomear esse fora dentro. Ou esse além dos muros.
A transgressão necessária, nesse momento tão delicado, é atravessar os muros com palavras. Mas essas palavras têm várias direções.


http://brasil.elpais.com/brasil/2016/03/28/opinion/1459169340_306339.html

Fora a vergonha na Câmara, o que mais irritou essa semana?

Ouvir um sujeito rico dizer: que bom que fecharam as farmácias populares mesmo, pois isso aí era uma lavagem de dinheiro. Eu: mas se é que...